Propriedades

Propriedades físicas

 

À temperatura ambiente, o éter dietílico é líquido incolor, de fraca viscosidade, com um odor penetrante característico, adocicado e picante. É um composto muito volátil, pelo que deixa uma sensação de frio intenso na pele, após evaporação (5), e também é altamente inflamável e explosivo (6). O éter é moderadamente solúvel na água, mas é miscível com a maior parte dos solventes orgânicos (5); no estado líquido, apresenta-se mais leve que a água, enquanto que o seu vapor é mais pesado que o ar (6).

 

A designação que habitualmente se dá a este composto – éter – é de cariz popular, visto que, quimicamente, esta corresponde a uma função química. Vários são os compostos que são constituídos por uma ou mais funções éter, mas esta denominação popular apenas corresponde a um composto: o éter dietílico ou éter etílico. Também tem outras designações tais como 1,1’-oxibisetano, óxido de etilo, etoxietano, éter anestésico ou éter sulfúrico. (6)

 

A sua fórmula química é (C2H5)2O (6) e a estrutura é a seguinte:

 

                                                                            

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


As principais características físicas do éter encontram-se na seguinte tabela:

 

 

Massa molar

∙ Percentagens elementares

74,12 g/mol

C – 64,82%

H – 13,59%

O – 21,59%

Ponto de fusão

∙ Cristais estáveis

∙ Cristais metaestáveis

 

-116,3ºC

-123.3ºC

Ponto de ebulição (1 atm)

34,6ºC

Temperatura de ignição

180ºC

Ponto de inflamação

-40ºC

Limites de explosão

∙ Inferior

∙ Superior

 

1,7% (v/v)

36% (v/v)

Temperatura crítica

192,7ºC

Pressão crítica

35,6 atm

Pressão de vapor

∙ a 10ºC

∙ a 20ºC

∙ a 30ºC

 

38,9 kPa

58,9 kPa

86,3 kPa

Densidade – D420

∙ a 20ºC e 101 kPa

0,714

1 ppm = 3,08 mg/m3

Densidade do vapor (ar = 1)

2,56

Solubilidade em água (20ºC)

6,9 g/l

Coeficiente de partilha – Ko/w

0,89

Viscosidade (20ºC)

0,23mPa.s

Índice de evaporação

(acetato de butilo=1)

11,8

Tensão superficial (20ºC)

17,06 dynes/cm

 

(6, 5, 7)

 

 

Propriedades químicas

 

O éter é um produto estável, em condições normais de temperatura e de pressão. Contudo, por acção da luz e do contacto com o oxigénio atmosférico, o éter oxida-se lentamente, originando compostos instáveis, tal como peróxidos. Estes compostos originam explosões violentas quando o éter é sujeito a evaporação ou a destilação, e também por intermédio de fonte de calor, choque ou fricção (5). A fim de evitar a formação de peróxidos explosivos e promover a estabilização do éter, é frequentemente utilizado o 2,6-di-terc-butil-4-metilfenol (7). Estes perigosos produtos de decomposição podem ser removidos por agitação com uma solução de sulfato ferroso a 5% (6).

O éter reage com compostos halogenados, tal como BrF3 e IF7, e com oxidantes fortes, tais como oxigénio, ar líquido, ácido nítrico e sulfúrico, percloratos e ozono, que especificamente origina o peróxido de dietilo, susceptível de promover explosão sob acção do calor.

 

A nível do laboratório, o éter ataca os materiais plásticos e de borracha, mas não tem acção corrosiva sobre os metais. (5)

 

 

 

 

Utilizações

 

O éter é produzido em larga escala pela desidratação do etanol ou por hidratação do etileno, ocorrendo ambos os processos na presença de ácido sulfúrico. (6)

 

As suas principais utilizações são as seguintes:

Ø Constitui um meio reaccional e agente de extracção na indústria química, nomeadamente na indústria farmacêutica (5);

Ø Reagente importante em síntese orgânica, nomeadamente em Reacções de Grignard e Reacções de Wurtz (6);

Ø Solvente de ceras, gorduras, óleos, gomas (5), perfumes, alcalóides e, em especial, de nitrocelulose, quando em mistura com álcool (6);

Ø Liquido extractor, facilmente removível, muito utilizado na extracção de princípios activos, tal como hormonas, de tecidos vegetais e animais (6);

Ø Usado na produção de pólvora (5);

Ø Componente do fluido de arranque em motores automóveis a diesel (5) e a gasolina (6);

Ø Actualmente ainda é utilizado como antisséptico, para desinfecção de feridas, e como anestésico em animais, tais como os usados para experimentação (5).

 

 

 

 

Introdução | História | Propriedades | Farmacologia | Toxicologia | Detecção | Regulamentação | Recomendações | Bibliografia

 

 

 

 

 

 

 

 

ÉTER