Cloro

Toxicologia do Cloro

Tratamento de exposições excessivas

O tratamento da intoxicação por cloro segue o tratamento convencional de envenenamento com outras substâncias.

Primeiro é necessário certificar que a situação de exposição é conhecida e está controlada. É necessário retirar o indivíduo exposto do contacto com a fonte de cloro.

Caso a exposição tenha sido ligeira aconselha-se descanso durante 12 horas, informando o médico do acontecido.

O tratamento da intoxicação por cloro é invariavelmente o tratamento da irritação por baixa exposição, ou o tratamento de sintomas respiratórios que podem incluir edema agudo pulmonar e falha respiratória quando a exposição é elevada. Os efeitos respiratórios pelo cloro são potencialmente perigosos e sérios, sendo aconselhável a ida ao hospital e intervenção médica.

O tratamento é sintomático:

Olhos – irrigar com grandes quantidades de água, solução salina ou soluções oftálmicas vasoconstritoras. A córnea deve ser observada devido à possibilidade de danificação da mesma.

Garganta – Utilizar oxigénio humidificado.

Rinite – Uso de descongestionantes.

Tosse – Humidificar. Uso de medicamentos anti-tússicos e anticongestionantes.

Sintomas respiratórios – Oxigénio humidificado. Deve-se procurar ajuda médica quando os sintomas respiratórios são graves. O broncoespasmo pode ser tratado com simpaticomiméticos ou aminofilina.

Queimaduras na pele – Tratar como uma queimadura comum. Irrigar com água ou solução salina.

Náusea – Líquidos simples (água); medicação anti-náusea em casos extremos.

Dependendo da gravidade dos sintomas, certos testes como avaliação da função pulmonar, raio X e determinação de gases sanguíneos devem ser realizados. [17]